WEB RADIO RGA missoes brasil: Julho 2014

uol

sábado, 19 de julho de 2014

Contra “idolatria”, jovem evangélico destrói imagens de santos católicos e vai preso



Um jovem evangélico foi preso na última quarta-feira, 16 de julho, após vandalizar um templo católico e destruir imagens de santos na cidade de Sacramento (MG).

O rapaz, de 20 anos de idade, disse à Polícia Civil que destruiu as imagens da igreja de Nossa Senhora do Patrocínio do Santíssimo Sacramento, no centro da cidade, por não acreditar que nas representações dos santos e entender que se tratava de idolatria.

Depois que vandalizou o local, o jovem foi detido pela Polícia Militar e levado à delegacia, onde assinou um termo de comparecimento e foi liberado. Horas depois, o delegado titular César Felipe Colombari, ordenou que o rapaz fosse preso novamente, e ele terminou detido pela segunda vez em um dia.

De acordo com informações do G1, um segundo vândalo teria participado da ação, mas não foi localizado pela Polícia.

Wisne Lúcio de Souza, auxiliar administrativo da paróquia, contou aos policiais que oito imagens foram destruídas pelo ato de vandalismo, incluindo a da Senhora do Patrocínio do Santíssimo Sacramento, que é tombada pelo Patrimônio Histórico e estava em processo de coroação no Vaticano, com data a ser definida.

O padre Sérgio Márcio de Oliveira, responsável pela paróquia, afirmou que o vandalismo deixou os fiéis chocados: “É a primeira vez que aconteceu isso. A cidade inteira está de luto lamentando. Pelo que estou recebendo de imagens e mensagens pelas redes sociais, a cidade está com o coração ferido porque destruíram todo nosso patrimônio religioso. É lamentável”, afirmou.



Compartilhar

A prefeitura de Sacramento publicou uma nota de repúdio ao ato de vandalismo e a Polícia continua à busca do segundo suspeito de participar da ação.

Esse é o segundo caso de vandalismo contra representações católicas este ano. Recentemente, um grupo de fiéis evangélicos invadiu um templo católico na Paraíba e destruiu imagens de santos.

Pr Silas Denuncia Perseguição Religiosa e Política do Governo

terça-feira, 15 de julho de 2014

Papa estima que 2% dos clérigos sejam pedófilos, diz jornal italiano

O líder católico está empenhado em acabar com os casos de pedofilia dentro da Igreja

O jornal italiano La Reppublica afirmou que em uma entrevista recente o Papa Francisco comentou sobre os casos de abuso sexual de crianças cometidos por padres da Igreja Católica.
Os casos são considerados pelo Papa como uma “lepra” que infecta toda a Igreja, mas que a quantidade de padres pedófilos é inferior ao que é dito.

“Há padres, bispos e cardeais entre esses 2% de pedófilos”, disse Francisco. O pontífice, porém, acredita que o número de sacerdotes que sabem dos abusos é maior, mas que estes ficam em silêncio. “Eles punem (os pedófilos), mas não explicam a razão (do silêncio)”, disse. “Para mim, essa situação é intolerável”, completou o líder católico.

O porta-voz do Papa, Federico Lombardi, foi questionado por outras publicações para confirmar a fala de Francisco, mas ele afirmou que tais afirmações não foram ditas da forma como foi publicado pelo La Reppublica e que as falas não foram dadas durante uma entrevista oficial.

Lombardi também afirmou que o jornalista italiano não usou um gravador para conversar com o papa, usando na matéria apenas as frases que ele se recordava.

O assunto é polêmico no Vaticano, tanto que o novo líder já criou uma comissão para analisar e tentar barrar o aumento desses números. A estimativa de 2% de pedófilos pode ter sido retirada das pesquisas feitas pelos conselheiros.

A BBC publicou que se a porcentagem do Papa Francisco estiver correta, dos 414 mil padres que atuam em todo o mundo, 8 mil são pedófilos.

sábado, 12 de julho de 2014

Dia 15: Cheios do amor e da graça de Deus

"Que o Senhor faça crescer e transbordar o amor que vocês têm uns para com os outros e para com todos." 1Tessalonicenses 3.12a



Zinaida Vilchinskaya já era avó quando foi presa portando um livro cristão. Ela compartilha um episódio comovente de como um cristão pode encorajar outro a permanecer firme em sua fé durante circunstâncias difíceis.

"Quando a polícia me levou para a delegacia, fui colocada em uma cela muito fria, com beliches de ferro. Os guardas levaram o meu cachecol e casaco, e eu estava deitada somente com a roupa do corpo, bastante fina. Eu tremia de frio. Mesmo assim, comecei a orar. Quando a minha companheira de cela me viu orando, ela também ficou de joelhos e disse: 'Oh, eu não posso suportar isso. Estou congelando também.’ E então ela começou a chorar baixinho".

"’Deus’, eu orei, ’se o Senhor quiser que eu seja congelada aqui, que a sua vontade seja feita; apenas me permita suportar isso com amor, submissão e humildade. Mas o Senhor pode me ajudar. Pode até mesmo tirar-me daqui, se essa for a sua vontade.’"



"Eu me deitei e comecei a sentir muito calor. Eu disse à outra mulher: ‘Deixe-me colocar meu braço em volta de você. Juntas, nos aqueceremos’. Mais tarde, quando eles nos transferiram para celas diferentes, ela disse a todos: 'Deus aqueceu a tia Zhenya, como eles me chamavam, e ela me aqueceu.’"

Pedido de oração


Ore para que os cristãos perseguidos por sua fé sejam cheios do amor e da graça de Deus ao ponto de aquecer o coração de todos à sua volta.



Leia também
Você sabe o que é o ramadã?
Perguntas e respostas sobre o ramadã

sexta-feira, 11 de julho de 2014

Nações Unidas estabelece Comissão de Investigação na Eritreia

A Associação de Direitos Humanos da Eritreia (ADHE) e a Christian Solidarity Worldwide (CSW) receberam com satisfação o estabelecimento de uma Comissão de Investigação (COI) das Nações Unidas sobre a situação de direitos humanos na Eritreia
A criação da COI foi decidida por uma resolução consensual do Conselho de Direitos Humanos (CDH) da ONU em Genebra. Em um passo histórico que irá aumentar significativamente a exposição da situação eritreia, o CDH decidiu por uma COI com período de um ano e ordenou que ela fosse formada por três comissários, incluindo a atual Relatora Especial da ONU sobre a situação de direitos humanos na Eritreia, a Sra. Sheila Keetharuth.

Os registros relacionados aos direitos humanos no país têm aumentado a agenda da ONU nos últimos anos, como resultado de uma forte liderança africana no nível de Estado Membro, e o encorajamento e defesa de ONGs. No início da semana passada, uma declaração elaborada pela ADHE e pela CSW e assinada por outras 33 ONGs pedia à CDH por uma ação mais firme na Eritreia. A declaração argumentava que o estabelecimento de uma COI era o mais apropriado para o momento, dadas as violações de direitos humanos sistemáticas que ocorrem no país e a contínua omissão do governo local, apesar da existência de mecanismos internacionais.

Elsa Chyrum, Diretora da Associação de Direitos Humanos da Eritreia (ADHE), disse: “Este é um momento histórico na luta pelos direitos e liberdade do povo eritreu, e na responsabilização daqueles que foram cúmplices nas graves violações de direitos humanos na Eritreia em tantos anos”.
O Dr. Khataza Gondwe, Líder da Equipe CSW na África e Oriente Médio, falou: “Esperamos que esta comissão não somente exponha as graves violações de direitos humanos na Eritreia, mas também contribuam para o fim do sofrimento do povo eritreu”.

Abaixo, leia casos de perseguição aos cristãos na Eritreia noticiados ao longo dos anos pela Portas Abertas:

Seguidor de Jesus até dentro da prisão
Autoridades prendem cristãos na Eritreia
Cristã morre em prisão na Eritreia
Cristã eritreia revela como é participar de uma igreja subterrânea
O emocionante testemunho de uma mãe entre a Etiópia e Eritreia

Missionários louvam a Jesus no local mais sagrado do budismo

Iniciativa gerou polêmicas na Coreia do Sul

Ddangbarpgi é um termo coreano usado para descrever o ato de cristãos celebrarem culto em um local de adoração de outra religião. A Coreia do Sul é um país dividido entre budistas e cristãos, e essa prática controversa é sujeita a penalização por que as autoridades desejam evitar um conflito religioso no país.

Contudo, o jornal budista Beopbo Shinmun fez uma denúncia que gerou protestos em vários países da Ásia. Trata-se de um vídeo que mostra cristãos coreanos cantando hinos e fazendo orações no templo budista Mahabodhi, na Índia, tombado como patrimônio mundial pela UNESCO.

Para os budistas o templo é o seu lugar mais sagrado, pois segundo a tradição foi o lugar onde Buda obteve a iluminação e deixou de ser um mero mortal. A monja Venerável Beopsu conta que estava no templo indiano durante vários meses praticando meditação em silêncio. Quando os missionários coreanos chegaram ali, logo começaram a cantar louvores a Deus e fazer orações em voz alta.

Beopsu reclama que precisou quebrar seu voto de silêncio durante o período em que buscava iluminação para expulsar do templo os três coreanos. Ao serem confrontados, responderam que Jesus é o único salvador e que estavam ali “pregando a palavra de Deus, pois tinham compaixão daqueles que ainda não foram salvos”.

Entre os cristãos coreanos, a prática do Ddangbarpgi é controversa, que divide opiniões. Em outras ocasiões, quando jovens realizaram cultos cristãos em Bongeunsa (um dos maiores templos budistas em Seul) e no templo Donghwasa, na cidade de Daegu, as igrejas responsáveis vieram a público pedir desculpa por terem ofendido os budistas. É improvável que o mesmo ocorra agora, já que o incidente ocorreu em outro país. Com informações Huffington Post

Assista:



quinta-feira, 10 de julho de 2014

Malásia proíbe que não muçulmanos se refiram a Deus como “Alá”



A decisão foi dada na última semana em uma ação movida por um jornal cristão

Agora é oficial: a justiça malaia proibiu o uso da palavra ‘Alá’ para não muçulmanos. A decisão foi feita pela Corte federal da Malásia ao julgar uma ação que condenava um jornal cristão por ter se referido a Deus como a ‘Alá’.

Dos sete juízes que votaram, quatro foram a favor da proibição e três foram contra, ratificando assim a sentença anterior dada pela Corte de apelação contra o recurso apresentado pelo jornal Herald que mantém uma edição na língua local da Malásia.
“Os quatro juízes que nos negaram a licença falaram de coisas que não têm nada a ver com os direitos fundamentais básicos das minorias”, disse o diretor do Herald, Laurence Andrew, ao deixar o tribunal.

Ele falou com o jornal Malaysia Insider lamentando a decisão da Corte. “Mas três vozes falaram com clareza acerca da dignidade das pessoas, dos direitos das minorias e também defenderam a Constituição federal com clareza”.

O jornal defende que “Alá” se refere ao mesmo Deus que os cristãos cultuam, já que essa é a única palavra na língua malaia para se referir a Deus.

A proibição foi dada em 2009 pelo Ministério do Interior por conta de uma reportagem que gerou grande violência contra igrejas cristãs no país. Cristãos malaios e indonésios sempre usaram ‘Alá’ por conta da tradução bíblica do hebraico ‘Elohim’ que foi feita pelo missionário Francisco Javier.

Mesmo com a garantia de liberdade de culto, a Malásia tem leis que proíbem o uso de termos do Islã para outras religiões e foi isso que a Corte levou em consideração, para evitar assim novas confusões e a conversão de muçulmanos. Com informações Terra.

Muçulmanos invadem aldeia cristã e crucificam nove



ISIS estabelece califado e quer aniquilar Israel
O Observatório Sírio dos Direitos Humanos vem divulgando constantemente os horrores da guerra na Síria. Tendo se iniciado há mais de três anos, já resultou em 162 mil mortos e mais de nove milhões forçados a saírem de suas casas.

No embate entre as forças do governo e os rebeldes, de duas facções islâmicas distintas, os cristãos foram pegos no fogo cruzado e são o grupo que mais sofre nessa guerra. Quando os rebeldes invadem as aldeias e cidades cristãs da Síria, geralmente punem seus moradores por não servirem a Alá e por serem aliados do governo do presidente Bashar al-Assad, que nunca perseguiu os cristãos do país.

Os guerrilheiros do exército do Estado Islâmico no Iraque e na Síria (ISIS), vem chamando atenção da mídia internacional pelas demonstrações de crueldade nesta guerra. Seu objetivo declarado é criar um estado islâmico em áreas sunitas do Iraque e na Síria.

Neste final de semana, deram dois sinais claros que as coisas estão saindo de controle novamente. Após as eleições recentes, esperava-se que o ritmo da guerra diminuísse e a paz fosse negociada.

Porém, foram divulgadas imagens da ação do ISIS na província cristã de Aleppo, no norte do país. Nove homens foram crucificados em público. A acusação era de apostasia (afastar-se da verdadeira fé muçulmana). Um deles, que não teve seu nome divulgado, conseguiu sobreviver depois de ficar crucificado por oito horas. Ele contou que foram torturados após os jihadistas invadirem sua aldeia, e condenados a pagar por sua falta de fé.

Os corpos dos demais homens ficaram na praça principal da vila por três dias, como um sinal de força do ISIS. No início do mês passado, foram divulgadas imagens de cristãos sendo crucificados por soldados do ISIS na cidade de Raqqa.

Neste domingo (29), uma gravação postada na internet anunciou para o mundo que os jihadistas do ISIS estão reestabelecendo o califado. Esse regime político, desaparecido há um século, significa na prática que seu líder, Abu Bakr al-Baghdadi, agora é o califa, e portanto será o líder dos muçulmanos em todas as partes do mundo.



Segundo o que essa organização terrorista, que nasceu no seio da Al-Qaeda, tem divulgado, pretendem instituir um regime fundamentalista islâmico em todo o Oriente Médio e norte da África. Isso pode ser visto como uma declaração de guerra a Israel, a quem eles prometeram aniquilar. Também pode ser encarado como uma ameaça real a todos os cristãos que vivem nessas áreas. Com informações de Telegraph e Yahoo

segunda-feira, 7 de julho de 2014

Pastor afirma que cristãos não devem fazer tatuagem por ser “uma prática pagã”

Há muito tempo o tema tatuagem gera discussões no meio evangélico, com argumentos favoráveis e contra de todas as partes.
Por muito tempo, foi consenso no meio pentecostal que “marcar a pele” era pecado, enquanto que algumas denominações neopentecostais definiam a questão como de “foro íntimo” de cada fiel.

Ainda sem um consenso entre as diferentes linhas de interpretação da Bíblia sobre o assunto, o pastor Pat Robertson definiu que o adorno é “inadequado para cristãos por ser uma prática pagã”. A afirmação foi feita durante seu programa The 700 Club na unidade norte-americana da emissora de TV Christian Broadcasting Network (CBN).

Um telespectador entrou em contato para dizer que “estava pensando em fazer uma tatuagem de Jesus” nas costas e pediu a opinião do veterano e polêmico pastor. Robertson não titubeou ao dizer que não aprovava a ideia.

“Você olha para a Bíblia, e está escrito para o povo não marcar o corpo e se cortar como pagãos fizeram. Tatuagem é uma prática pagã, e não cristã”, cravou Pat Robertson, citando Levítico 19:28: “Pelos mortos não dareis golpes na vossa carne; nem fareis marca alguma sobre vós. Eu sou o Senhor”.



Compartilhar
Controvérsia

Muitas denominações já aceitam que os fiéis se tatuem, e há inclusive os que se posicionam dizendo que o papel das denominações é abrigar os cristãos, respeitando as experiências de fé de cada um. “A Igreja somos nós”, diz o pastor Steve Bentley, que montou um estúdio de tatuagens na sede da igreja que lidera.

Já o pastor Chris Seay, da Ecclesia Church, em Houston, Texas, rebate o argumento de Robertson dizendo que a passagem de Levítico tem como objetivo disciplinar o povo contra a idolatria, e não contra os adornos em forma de tatuagem: “O problema não era com as tatuagens, mas com o fato de que fazer uma tatuagem ou cortar o cabelo ou barba era um símbolo que na época era identificado como adoração a deuses pagãos”, argumentou, de acordo com informações do Christian Post.

Ateus que pediram retirada de cruz do memorial 11 de setembro são obrigados a explicar porque consideram o monumento “repugnante”



Uma iniciativa de ativistas ateus para remover uma escultura em forma de cruz no memorial às vítimas do 11 de setembro, em Nova York, foi repudiada pela Justiça norte-americana, que cobrou explicações sobre a postura dos incrédulos.

O grupo American Atheists entrou com uma ação em 2011 pedindo a retirada da cruz do local, por considerá-la “ofensiva” e “repugnante” e porque seria inadequado que uma “cruz, um símbolo cristão” fosse usado “para representar todas as vítimas” do atentado terrorista.

Com 17 metros de altura e feita a partir de duas vigas dos escombros do World Trade Center, a cruz é um dos pontos mais frequentados no memorial. Durante os trabalhos de busca por vítimas, a cruz tornou-se uma espécie de santuário ou lugar de conforto para os bombeiros. Posteriormente, a cruz foi colocada num local mais acessível aos moradores da cidade e turistas.

De acordo com informações da Fox News, a Corte Federal de Apelações solicitou que os advogados dos ativistas ateus expliquem por quais motivos o monumento é “repugnante” e “ofensivo”, uma vez que os autores da ação sustentam a tese de que a cruz teria causado danos aos que não compartilham da mesma fé.



Compartilhar

Eric Baxter, conselheiro do Fundo Becket pela Liberdade Religiosa comemorou a decisão do tribunal e argumentou que a Justiça não poderia acatar um processo por simples desconforto de um grupo com um “um artefato histórico exibido em um museu”, e acrescentou que a postura da Corte resgata o princípio de que a Constituição do país foi redigida para proteger a religião, e não para tratá-la de forma desconfiada.

O juiz responsável pelo caso estabeleceu o dia 14 de julho como data limite para que os ativistas ateus expliquem o motivo de considerarem a cruz uma “lesão constitucional” aos familiares das vítimas do 11 de setembro.

Autoridades proíbem a construção de igreja na Argélia

A comunidade cristã no norte da Argélia chamada Maatkas tem argumentado com as autoridades locais para obter permissão para construir uma casa que deseja usar como um local de culto
Recentemente, um membro da congregação ofereceu um pedaço de terra para a construção de um local de culto. No entanto, quando os líderes da igreja pediram permissão ao governo, eles enfrentaram oposição por parte das autoridades locais.

Como os líderes já sabiam que o pedido de um edifício para ser utilizado como "local de culto" seria recusado, eles pediram permissão para construir uma habitação/residência. Este pedido, porém, foi recusado. "Quando se trata de um grupo de cristãos, há todos os tipos de desculpas para a oposição das autoridades. Isto é discriminação contra a comunidade cristã", afirmou um dos líderes da igreja.

Esse mesmo líder disse que está determinado a continuar a luta em oração até que eles obtenham a permissão. "Sabemos que a nossa luta não é contra homens, mas contra os poderes das trevas. Nossa comunidade vai continuar em oração até que consigamos o documento”.


Pedidos de oração
Ore para que os cristãos em Maatkas consigam um lugar adequado para se reunir.
Peça ao Senhor que lhes mostre como dar continuidade aos planos de construir uma igreja para que possam adorar a Deus.

sábado, 5 de julho de 2014

Meriam Ibrahim continua impedida de deixar o Sudão

A cristã e sua família estão recebendo apoio do governo americano e serão levados para os Estados Unidos

De acordo com o site do Portas Abertas a sudanesa cristã Meriam Ibrahim e sua família ainda não podem deixar o Sudão. Eles foram presos no final de junho quando tentavam embarcar para os Estados Unidos.

Daniel Wani, esposo de Meriam, é sul-sudanês e conseguiu documentos de viagem de emergência emitidos pelo governo de Sudão do Sul, mas no aeroporto de Sudão a família foi presa acusada de forjar os passaportes.

Assim que deixaram a delegacia, Meriam, seu esposo e suas filhas, incluindo a recém-nascida Maya, que nasceu enquanto Meriam estava na prisão, foram levados para um local seguro.

A embaixada dos Estados Unidos não confirma se a família está hospedada com eles e porta-voz do departamento de Estado dos Estados Unidos, Marie Harf, disse apenas que eles estão à salvo. “A família foi levada para um local seguro e por isso não informado. Estamos em contato com o Ministério das Relações Exteriores do Sudão para garantir que ela e sua família sejam liberados para viajar o mais rápido possível.”

Enquanto o caso de falsificação de documentos não for apurado a família Wani não poderá deixar o país. O governo do Sudão é acusado de perseguição, uma vez que Meriam estava condenada à morte por não ter seguido a religião de seu pai, se tornando cristã.

O Sudão também tem acusado a embaixada dos Estados Unidos de ajudar Meriam a sair ilegalmente do país, mas o governo americano, que acompanha de perto o caso, alega que todos os documentos são verdadeiros e que não há motivos para impedir que a família deixe o Sudão.

“De nossa perspectiva, Meriam tem todos os documentos que ela precisa para viajar e para entrar nos Estados Unidos. Cabe ao governo do Sudão autorizá-la a sair do país. Como eu disse, estamos trabalhando com eles”, disse Harf.

“Amem os seus inimigos e orem por aqueles que os perseguem”


"Vocês ouviram o que foi dito: ‘Ame o seu próximo e odeie o seu inimigo’." Mateus 5.43



    A seguir, leia um trecho de uma entrevista com o irmão André – fundador da Portas Abertas Internacional – publicada em uma revista holandesa em dezembro de 2008.

    "Mas uma coisa é certa", diz ele, "a paz não virá por meio de ações políticas no Ocidente. Em vez disso, é mais importante encontrar a causa do problema. E como você faz isso? Ao estabelecer contato com pessoas que estão pensando de forma isolada, e por causa disso, estão cada vez mais distante da sociedade.

    Você tem que falar com o Talibã, o Hamas e a Jihad Islâmica. A Portas Abertas faz isso. Nós não falamos sobre política, mas sobre o Senhor Jesus. Nós não estamos servindo uma ideologia política, mas o Corpo de Cristo e o Reino de Deus. Neste momento, parece que para agir você precisa escolher entre as partes em conflito. Nós não fazemos isso. Nós colocamos nosso dedo sobre o único problema real: o problema do pecado. Alguns anos atrás, um psicólogo cristão me disse: 'Se pudéssemos convencer o povo nas instituições psiquiátricas de que seus pecados estão perdoados, cinquenta por cento deles poderia ir para casa’. Eu acho que ele estava certo. O problema é o pecado.

    Nós vamos com a Bíblia, levar uma mensagem de esperança para as pessoas que são nossas inimigas e, mesmo assim, nós resolvemos amá-las. Porque isso é o que Jesus nos disse para fazer, ‘Amem os seus inimigos e orem por aqueles que os perseguem (Mateus 5.44).’ E o que acontece depois ? De repente, eles não são seus inimigos mais, mas os seus amigos."

    Pedidos de oração


    Ore para que, durante a época do ramadã, o Senhor ajude os cristãos que vivem em países islâmicos a "amarem os seus vizinhos."




    Peça para que o espírito de mansidão e de amor de Cristo seja revelado através da atitude daqueles que estão buscando a sua verdade.