WEB RADIO RGA missoes brasil: Junho 2014

uol

segunda-feira, 30 de junho de 2014

Cristã sudanesa que escapou de pena de morte é presa novamente ao tentar sair do país com o marido

A cristã Meriam Ibrahim vem protagonizando uma história complexa e surpreendente, com sequentes prisões indevidas
A sudanesa foi presa novamente na última terça-feira, 24 de junho, junto com seu marido, Daniel Wani, no aeroporto internacional da capital do Sudão, Cartum, quando tentava sair do país.

De acordo com informações da Missão Portas Abertas, Meriam e Daniel foram detidos sem maiores explicações pelas autoridades do país. Um dia antes, ela havia sido solta pelo governo após a Corte de Apelações do Sudão anular a sentença de morte por enforcamento.

Meriam havia sido condenada à morte por apostasia ao islamismo depois que se casou com Daniel Wani, que é cristão. Em sua defesa, Meriam disse que apenas seu pai era muçulmano, mas ela havia sido criada com princípios cristãos, portanto, não poderia ser condenada por abandonar o islamismo já que nunca o havia praticado.

Os argumentos de Meriam e seus advogados não foram aceitos pelo poder judiciário do Sudão, que é regido pela lei islâmica sharia, e além da condenação à morte por ter “abandonado” a fé muçulmana, a cristã – que estava grávida à época da sentença – também foi condenada a 100 chibatadas por adultério, já que seu casamento com um cristão não era reconhecido pela lei.

A repercussão internacional do caso fez com que diversos países pressionassem o governo sudanês por respeito à liberdade religiosa. O resultado da pressão internacional foi a anulação da sentença de morte e sua libertação na última segunda-feira, 23 de junho.

Meriam e seu marido, Daniel, foram detidos no aeroporto por aproximadamente 40 agentes, porém, o governo decidiu liberá-los na sequência, após a notícia da prisão se espalhar rapidamente.

A porta-voz do Departamento de Estado do governo dos Estados Unidos se pronunciou sobre o caso e disse que o governo sudanês alegou que a detenção do casal foi apenas por questões burocráticas: “Eles ficaram presos temporariamente por algumas horas por causa de questionamentos acerca de sua documentação. O governo do Sudão afirmou aos Estados Unidos que Meriam e seu marido estavam a salvo”, disse Marie Harf.

No entanto, um membro da International Christian Concern (ICC) entrou em contato com um advogado de defesa do casal e obteve a informação de que, no momento da prisão, Meriam e Daniel haviam sido informados que estavam sendo detidos por uma questão de segurança nacional. O fato de o casal ter um visto para os Estados Unidos poderia ter atraído a atenção das autoridades, de acordo com informações do Charisma News.

Oficialmente, Abdullahi Alzareg, funcionário do Ministério de Relações Exteriores, informou à BBC que o casal foi detido porque Meriam portava documentos de emergência do Sudão do Sul com um visto americano. Já pessoas próximas afirmam que o casal foi acusado de fraude e só foi libertado após um amigo pagar a fiança, porém estariam agora proibidos de deixar o país.

sábado, 28 de junho de 2014

Cristã sudanesa que havia sido condenada à morte por ter se convertido ao Evangelho tem sentença anulada

A sudanesa que havia sido condenada à morte por ter se convertido ao cristianismo e casado com um cristão conseguiu anular a sentença e está livre. Meriam Yahia Ibrahim Ishag, 27 anos, estava grávida na época da condenação, e deu à luz a uma menina na prisão.
A libertação aconteceu ontem, segunda-feira, 23 de junho, após um tribunal de Cartum anular a sentença de morte por apostasia. O caso foi noticiado pela imprensa estatal do Sudão e confirmado pelo advogado de defesa de Meriam.

O processo contra Meriam por apostasia (abandono da fé) do islamismo foi anulado pela Corte de Apelações e o advogado também informou que ela já estava em casa, com a família.
Filha de pai muçulmano, mas criada na fé cristã, Meriam só se tornou alvo de acusações de apostasia quando estava prestes a dar à luz ao segundo filho do casamento com Daniel Wani, que também é cristão e foi preso. O casal já tem um filho de 1 ano e 8 meses.
Além da pena de morte, Meriam havia sido condenada a 100 chibatadas por adultério, já que a sharia (lei islâmica) entende que uma mulher muçulmana só pode se casar com um muçulmano.
No julgamento, Meriam argumentou que não havia apostatado da fé islâmica porque nunca havia se confessado muçulmana, e tendo sido criada com ensinamentos cristãos, era natural que se tornasse uma cristã.
Antes da anulação do julgamento de Meriam, o caso repercutiu em diversos países do mundo como um exemplo de atentado à liberdade religiosa. De acordo com a agência de notícias Associated Press, nações como o Reino Unido exerceram pressão sobre o Sudão para que o país cumprisse as obrigações assumidas no âmbito internacional no sentido da liberdade de religião, o que pode ter influenciado na decisão da Corte de Apelações de anular a sentença de morte por enforcamento.

Ateu se converte ao Evangelho após ver sua filha ser milagrosamente curada através das orações de missionários

Um ateu se converteu ao Evangelho após ver a cura milagrosa de sua filha de sete anos, que sofria com diversas doenças que a imobilizavam num leito e a única perspectiva era a morte.

O relato foi feito por voluntários do ministério Ponte de Esperança, que desenvolve um trabalho evangelístico e humanitário em diversos países do mundo.

A conversão de Ganesh se deu após ele mesmo ter dificultado a busca de sua família por Deus. De acordo com informações do Charisma News, sua esposa, Marala, soube do trabalho missionário e comentou sobre a possibilidade de pedir oração para a menina Priyala, que sofria com tosses, febres, dores estomacais, entre outros males. A reação do pai foi dizer que não cria em Deus, e portanto, não permitiria a oração.

Os voluntários do Ponte de Esperança então pediram para que Ganesh permitisse que sua filha fosse levada ao médico, mas ele recusou.

Ganesh e Marala trabalhavam na roça e o salário era suficiente para se manterem, porém o chefe da família gastava todos os recursos em bebida e jogos de azar. A realidade difícil só piorou, pois o estado de saúde de Pryiala se agravou e ela não podia mais abrir os olhos.

Um dia, aflita, Marala tomou a iniciativa de ir atrás da equipe missionária enquanto seu marido não estava em casa e pediu que eles fizessem orações pela menina. O pedido foi prontamente atendido, e após as orações, Pryiala demonstrou sinais de melhora.


Os voluntários do Ponte de Esperança encorajaram a mãe a confiar em Deus e pediram para retornar nos dias seguintes. Vendo a melhora de sua filha, que agora já não tinha mais febre e conseguia abrir os olhos, Ganesh não se opôs às orações, e depois que sua filha estava completamente curada, perguntou se poderia se converter ao Evangelho.

“Posso me tornar um cristão? Será que o seu Deus me aceita?”, questionou Ganesh. Em resposta, ouviu dos missionários um breve relato sobre o amor de Jesus e a graça divina. No apelo para abrir o coração a Jesus, Ganesh e sua família se converteram e se tornaram cristãos. “Agora eles oram regularmente e agradecem a Deus por sua provisão”, resumiram os missionários.

quarta-feira, 25 de junho de 2014

Pastor evangélico é assassinado a tiros na Paraíba, polícia acredita se tratar de uma execução

Na última semana o pastor evangélico José Carlos Barbosa da Silva, de 46 anos, foi encontrado morto no município de Guarabira (PB), no Brejo paraibano
De acordo com a polícia, Silva, que é pastor da Igreja Presbiteriana Pentecostal do Bessa, em João Pessoa, foi assassinado após realizar um culto na cidade de Alhandra.

A Polícia Militar afirma que o religioso estava voltado para sua residência em João Pessoa após celebrar o culto, dirigindo um veículo Toyota Hilux, quando foi interceptado por quatro homens. De acordo com a perícia, ele foi assassinado com três tiros, sendo um no queixo, outro na cabeça e mais um no tórax.

De acordo com o Portal Correio, o corpo do pastor foi encontrado às margens de um lago na cachoeira do Ouricuri, em Pilões. Seu veículo foi encontrado, queimado, dias depois no sítio Cipoal, zona rural do município de Araçagi, a cerca de 6 km do centro da cidade.

Após uma denúncia feita por moradores de uma grande bola de fogo, peritos do Instituto de Polícia Científica foram até o local e identificaram o carro pelo modelo, cor e número do chassi, confirmando se tratar do carro pertencente ao pastor. Nas redondezas foram encontrados também alguns pertences pessoais do pastor como roupas utilizadas na igreja.

A polícia está investigando o caso e ainda não têm informações sobre a autoria do crime ou a possível localização dos suspeitos. Os investigadores do caso não descartam a hipótese de latrocínio, mas, como nada foi roubado, indícios de execução estão cada vez mais fortes.

Vereador entra com projeto de Lei que propõe leitura obrigatória da Bíblia em escolas públicas e privadas de Fortaleza



O vereador Mairton Felix entrou recentemente com o Projeto de Lei 0179/2014
Na Câmara Municipal de Fortaleza, texto que tem como objetivo tornar obrigatória a leitura da Bíblia em escolas públicas e privadas da capital do Ceará.

No texto do projeto, o vereador afirma que a leitura bíblica obrigatória nas instituições de ensino “visa trazer os conhecimentos cultural, geográfico científico e de fatos históricos bíblicos” aos estudantes do município.

- A bíblia é um conjunto de livros (Escritura Sagrada), para muitos um livro religioso, porém o seu conteúdo é universal, científico, arqueológico, cultural, geográfico e histórico, a sua abrangência da escrita é fantástica e corresponde a um período de 1.600 (hum mil e seiscentos anos) – diz a justificativa do projeto.

O texto comenta ainda que a Bíblia foi o primeiro livro a ser impresso no mundo, e fala sobre sua diversidade de autores ao longo do tempo, que a escreveram, apesar de separados por longas distâncias e períodos de tempo, “com uma harmonia excepcional entre eles”.

O vereador fala ainda em seu projeto que seu projeto não fere o caráter laico de estado determinado pela Constituição Federal, e que o projeto “tem a finalidade de enriquecer o conhecimento dos alunos, pois os conhecimentos norteiam as atitudes humanas e até servem para consulta de cientistas, como exemplo de Galileu”.

- O projeto é de cunho educacional e não religioso, a leitura bíblica proporcionará aos alunos fundamentos históricos e sua iniciativa não se contrapõe ao estado laico. Proibir a leitura bíblica nas escolas é uma intolerância que leva ao preconceito e um ato de discriminação – finaliza Mairton Felix em sua justificativa.

Ao divulgar o texto de seu projeto nas redes sociais, o vereador afirma se tratar de uma medida feita “em benefício para toda coletividade, pois as escolas terão desta vez a melhor forma de conhecer a palavra de Deus”.

O projeto foi autorizado pelo Plenário e foi encaminhado para a Comissão de Legislação, Justiça e Cidadania do município.

sábado, 21 de junho de 2014

Justo juiz: Arbitro pede ajuda de Deus para apitar jogos da Copa

O mexicano Marco Rodriguez conta que ora para “fazer justiça em campo”


Dos 33 árbitros que foram escolhidos pela FIFA para apitar os jogos na Copa do Mundo de 2014, um deles foge um pouco do padrão. Enquanto vários juízes vivem fora do campo como professores de educação física ou sendo empresários, o mexicano Marco Rodriguez, 40, é pastor evangélico.

Em sua longa carreira, com 17 anos de arbitragem, já participou das duas últimas copas, além de ter apitado importantes partidas, incluindo finais do campeonato mexicano, partidas da Copa América e da Libertadores.

Ele é o primeiro árbitro mexicano a participar de três Copas do Mundo (2006, 2010 e 2014) e já atuou este ano na vitória de 2 a 1 da Bélgica sobre a Argélia na última terça-feira. Dependendo dos resultados e da classificação (ou não) do México para a próxima fase, ele poderá apitar um dos jogos das oitavas.

Nascido em um lar evangélico, Rodriguez é conhecido por não “poupar” cartões durante os jogos. Afirma que sua função é aplicar as regras, mesmo sabendo que sempre irá desagradar um dos lados. “Em cada jogo, peço que Deus me ajude a fazer justiça no campo”, explica, contando que sempre ora antes do apito inicial.

Líder de uma igreja na área metropolitana da Cidade do México, o árbitro-pastor, afirma que nunca teve problemas em exercer as duas atividades. “Eu decidi me entregar, durante anos, ao serviço de Deus. Me dedico à igreja o máximo que posso. Quando eu não estou no meu trabalho como árbitro, estou no templo”, afirma. Com informações Protestante Digital

Dominion e The Leftovers mostram o Apocalipse na TV

Séries que exploram temática sobrenatural parecem estar em alta

Estreou nesta semana no canal SyFy a série Dominion, criada por Vaun Wilmott (Sons of Anarchy) e Scott Stewart. É uma espécie de continuação do filme “Legião”, lançado em 2010, que mostrava uma convivência conflituosa entre anjos e humanos no planeta Terra.

A trama se passa 25 anos após os fatos narrados pelo filme. Alex (Christopher Egan) interpreta um soldado rebelde que lutou na grande guerra causada por um inexplicável “sumiço” de Deus. Isso fez com que os anjos culpassem os humanos e passassem a querer destruí-los.

Restaram apenas quatro cidades no território que antes era os EUA. Uma delas é Vega, antiga Las Vegas, atualmente sob o comando de Rysen (Alan Dale), o general que liderou a vitória da raça humana. Os humanos vivem em uma espécie de sistema de castas.

Ao seu lado Miguel (Tom Wisdom), o arcanjo que ficou do lado dos humanos durante a guerra. No cenário futurístico e pós-apocalíptico, um exército de anjos liderados pelo arcanjo Gabriel, ainda disputa território com os seres humanos.

Existem tramas paralelas, como as duas famílias que lutam pelo controle político de Vega e a expectativa do surgimento de uma espécie de Salvador, que liderará os humanos na batalha final.

Com uma hora de duração, o primeiro episódio mostra uma boa produção. Os anjos mais parecem demônios, com asas negras e línguas de cobra, que se apossam do corpo dos humanos e por isso podem ser destruídos por armas humanas. Não há menção direta à Bíblia nem especulações teológicas sobre os motivos de tal guerra e o “sumiço” de Deus, mas trata do mundo espiritual como algo que é parte inegável da vida terrena.

Inegavelmente, seus criadores tentam atrair um público acostumado com esse tipo de série, por isso a inevitável comparação com Sobrenatural, que já anunciou que está em sua última temporada. Ao mesmo tempo, entre os maiores sucessos da TV atualmente estão várias séries com temática que exploram assuntos como vampiros, com inegável apelo espiritual.


Além de Dominion, outra série com temática apocalíptica estreia este mês. The Leftovers, da HBO, estreia dia 29 de junho, indo ao ar simultaneamente nos Estados Unidos e no Brasil. Trata-se de uma das grandes apostas da emissora para este ano.

Inicialmente foram anunciados dez episódios de uma hora. Criada por Damon Lindelof (de Lost) e com roteiro de Tom Perrotta, que já foi indicado ao Oscar.

O drama basicamente mostra a vida na Terra após um evento conhecido como “Partida Repentina”, quando 2% da população do mundo sumiu, cuja implicação imediata é que seria o arrebatamento bíblico. Os sobreviventes, chamados de Leftovers [Sobras], vivem numa pequena cidade do interior. Três anos depois do sumiço inexplicável, as pessoas precisam conviver com as consequências do evento, que mostra uma radicalização, desde o profundo ceticismo até o fanatismo religioso.

O foco do livro que inspirou a série é Kevin Garvey, prefeito de uma pequena cidade do Utah. Após a “Partida Repentina”, a família Garvey é grandemente impactada. Sua esposa, Laurie, o abandonou para participar da seita os “Remanescentes Culpados”, onde todos os membros fazem um voto de silêncio. O filho do casal, Tom, largou a faculdade para seguir um novo profeta chamado “Sagrado Wayne”. A única que ficou com o pai foi Jill, menina “nota 10” que passou a ter sérias mudanças de comportamento.

sexta-feira, 20 de junho de 2014

Hoje há mais mártires do que nos primeiros séculos da Igreja, diz papa


O líder católico afirmou se preocupar com os casos de perseguição que lhe são relatados


Ataques contra cristãos em países como Síria e Iraque fazem o Papa Francisco ter uma certeza: há mais mártires cristãos nos dias de hoje do que nos primeiros séculos do cristianismo.

Foi isso que o líder da Igreja Católica afirmou ao jornalista Henrique Cymerman, correspondente da GloboNews em uma entrevista recente.

“Os cristãos perseguidos são uma preocupação que me toca como pastor”, disse o papa afirmando que é necessário tomar consciência desses desafios para poder acompanhar as comunidades cristãs perseguidas.

“Estou convencido de que a perseguição aos cristãos é mais forte do que a dos primeiros séculos da Igreja”, afirmou. “Hoje há mais mártires cristãos do que naquela época. E não me baseio em fantasias, e sim em números”, concluiu.

Vale lembrar que no início deste ano o ministério Portas Abertas divulgou que o número de cristãos mortos em 2013 foram o dobro do que foi registrado um ano antes.

Só na Síria foram 2.123 mortes e o total no mundo todo deve passar de 8.000, uma base somada diante de notícias divulgadas na mídia internacional.

Missionários brasileiros são absolvidos no Senegal


Acusações de proselitismo e aliciamento de menores podiam render cadeia


O site da Missão Portas Abertas divulgou ontem (17) que os missionários José Dilson e Zeneide Morais, foram inocentados no Senegal. Um ano e meio após terem sido presos acusados de desrespeitar o islã e de aliciar menores, seu julgamento final os deixou livres de todas as acusações.

Em 20 de maio, José Dílson e Zeneide foram julgados durante aproximadamente 3 horas. Mesmo com quatro advogados de defesa e falta de provas consistentes, a Promotoria conseguiu uma vitória preliminar, pedindo que eles cumprissem dois anos de prisão mais o pagamento de uma multa.

A sentença final agora possibilitará que eles continuem com o trabalho que fazem com crianças e adolescentes senegaleses em situação de rua, através de um projeto social.

Eles respondiam em liberdade, mas estavam proibidos de deixar o país enquanto aguardavam a decisão da Justiça.

Na capital Dacar os missionários brasileiros fundaram a Escola ABC e o Projeto Obadias, sendo financiados por uma ONG cristã. Além de educação, a escola oferece alimentação para crianças carentes. Foi o pai de uma dessas crianças que os acusou de aliciar menores. Também reclamou às autoridades que seu filho se recusou a recitar uma oração muçulmana e estava exibindo “comportamento cristão”.

A missão Portas Abertas agradeceu, em nome dos missionários, as orações a seu favor e lembrou do versículo de 1 Coríntios 12.26 “Quando um membro sofre, todos os outros sofrem com ele; quando um membro é honrado, todos os outros se alegram com ele.”

terça-feira, 17 de junho de 2014

Satanista é preso após matar, esquartejar e canibalizar mulher em ritual de adoração macabro



Um satanista é suspeito de assassinar, esquartejar e comer os restos mortais de uma mulher de 36 anos, na cidade de Manchester, no Tennessee.

A Polícia da cidade prendeu Gregory Scott Hale, 37 anos, na última sexta-feira, 13 de junho, após ele ter pedido a um vizinho que o ajudasse a eliminar os restos mortais de Lysa Hyder, moradora de Dekalb County.

O vizinho, assustado, chamou a Polícia imediatamente. As autoridades encontraram o corpo da mulher na casa de Gregory e o prendeu, segundo informações da emissora de TV local WSMV.

No interrogatório, o satanista disse que matou a mulher e em seguida, a decapitou e cortou pés e mãos, para depois comer partes do corpo. Peritos encontraram partes do corpo em dois baldes de plástico nos fundos da residência, ao lado do tronco da mulher, que havia sido queimado.

O satanista confessou o assassinato, e afirmou que conheceu a mulher no centro da cidade naquele dia. Por isso, a Polícia ainda não tem nenhuma pista sobre a motivação do assassinato e do canibalismo.

Um amigo de Gregory afirmou à imprensa que ele era um satanista e tinha acabado de perder seu emprego num matadouro porque havia sido pego fazendo um ritual satânico com restos de animais. Os vizinhos também disseram que ele era uma pessoa doente e se dizia um seguidor de satanás.

“Nós certamente estaremos olhando para tudo o que estamos ouvindo. Como você pode imaginar as coisas que você está ouvindo são as mesmas coisas que estamos ouvindo”, disse a assistente da Promotoria Maria Holloway. Gregory até agora já foi acusado de assassinato em primeiro grau e abuso de cadáver. Ele está detido na prisão de Coffee County, e sua fiança foi estabelecida em US$ 1,5 milhão. A primeira audiência no tribunal será feita no próximo dia 23 de junho.

sexta-feira, 13 de junho de 2014

Igreja Perseguida na Copa: Coreias


Não importa se são bons de bola. Em alguns países que participarão da Copa do Mundo os cristãos são perseguidos por sua fé. Conheça-os e torça por eles em oração!

Coreia do Sul
No país da maior igreja pentecostal do mundo ― a Igreja do Evangelho Pleno Yoido, com mais de um milhão de membros ― ser cristão pode significar ser patriota. Diz-se ser comum, em condomínios de apartamentos, que os moradores colem, na porta de sua casa, adesivos que identificam a mega-igreja à qual pertencem.

A Coreia do Sul tem sido conhecida por seu zelo missionário, estando entre os países que mais enviam missionários a outras nações. Segundo reportagem do site Christianity Today, publicada em fevereiro deste ano, há mais de 20 mil missionários sul-coreanos em 177 países.

Coreia do Norte
Há poucos quilômetros de distância, na vizinha Coreia do Norte, a diferença é considerável: ser cristão na Coreia do Norte significa ser proibido de professar sua fé abertamente. Os cristãos são presos, torturados e mortos. Cerca de 50 a 70 mil cristãos presos em campos de trabalho forçado. No entanto, a Igreja está crescendo; há cerca de 400 mil cristãos no país.

A Coreia do Norte está no 1º lugar na Classificação da Perseguição Religiosa.

Leia mais no Fanzine underground, uma publicação do ministério de jovens da Portas Abertas.

Veja também
Igreja Perseguida na Copa: Argélia
Igreja Perseguida na Copa: Colômbia

Violência obriga cristãos a deixarem cidade do Iraque

Ore pelas centenas de famílias cristãs que fugiram da cidade de Mosul, no Iraque, no início da manhã do dia 10 de junho. Muitos cristãos foram para o norte do país, na região curda, relativamente segura, ou para o bairro cristão chamado Nínive, com apenas o que eles puderam carregar



As famílias cristãs deixaram Mosul após partes dessa que é a segunda maior cidade do país ter sido controlada por homens armados do Estado Islâmico do Iraque e do Levante, conhecidos como Daash.

Um colaborador da Portas Abertas no Iraque disse que cerca de 200 famílias encontraram abrigo no mosteiro de Mar Mattai e outras cerca de 50 famílias em um monastério em Alqosh. Várias escolas nas aldeias, principalmente as cristãs, também abriram as portas para as famílias. "Se essa situação continuar assim, Mosul logo será esvaziada de cristãos", afirmou o porta-voz. Até então, uma estimativa de mil famílias cristãs ainda morava em Mosul.

Os militantes do Daash são temidos porque eles não hesitam em matar pessoas de grupos minoritários.

Pedidos de oração
Ore para que os cristãos, agora refugiados, encontrem um lugar para ficar.
Peça ao Senhor pelos cristãos que ainda permanecem em Mosul.
Interceda pelo fim do derramamento de sangue e da instabilidade no Iraque.

Ore pela Igreja na Costa do Marfim


Na última quarta-feira, o Tribunal Penal Internacional anunciou que irá julgar o ex-presidente da Costa do Marfim Laurent Gbagbo por crimes contra a humanidade. O número de cristãos no país equivale a 33% da população de 22 milhões de habitantes





Ele será o primeiro ex-chefe de Estado julgado pelo tribunal, sob a acusação de perseguição política, que teria resultado na morte de mais de 3 mil pessoas. Os crimes teriam ocorrido durante o impasse eleitoral pelo comando do país, entre 2010-2011.



A Costa do Marfim ainda vive na esteira de uma revolução armada que dividiu o país ao meio em 2002: o norte é controlado por rebeldes, e o sul, pelo governo. As pessoas de tribos islâmicas do norte do país não têm sido reconhecidas pelo governo como cidadãs, o que gera grande descontentamento.

As eleições presidenciais de 2010 trouxeram mais violência. Os cristãos foram acusados de apoiar o presidente e, por isso, sofreram grande ataque, mesmo aqueles que não tinham envolvimento com a política. Os cristãos do norte, especialmente aqueles que se converteram do islamismo, enfrentam algum tipo de pressão por parte da sociedade e de suas famílias. O governo, no geral, concede e respeita a liberdade religiosa.

No dia 11 de junho desse ano, o Tribunal Penal Internacional declarou que decidiu julgar o ex-presidente após analisar declarações de 108 testemunhas, 22 mil páginas de documentos, além de provas em áudio e vídeo.

Gbagbo nega as acusações que o apontam como principal responsável pela onda de violência, após a sua recusa em abandonar a Presidência, na qual permaneceu dez anos.

quarta-feira, 11 de junho de 2014

Pastor Behnam Irani, preso no Irã desde 2010, desaparece de sua cela; Família suspeita de execução



O pastor Behnam Irani, preso no Irã desde 2010, estaria desaparecido da penitenciária onde cumpria a sentença de seis anos por conta de suas atividades evangelísticas no país. Ativistas de Direitos Humanos temem que o pastor tenha sido levado para ser espancado e/ou torturado e deixado para morrer.

No país, esse método é conhecido como “execução silenciosa”, pois os prisioneiros não recebem assistência médica e as autoridades relatam suas mortes como oriundas de “causas naturais”.

Segundo informações do site Gatestone, o pastor Behnam Irani foi retirado à força de sua cela às 6:30 da manhã do dia 07 de junho de 2014. Fontes relatam que foi dito ao pastor que ele estava sendo levado para uma audiência de processos judiciais, e que ele seria levado de volta à prisão em breve.

No entanto, ele nunca foi levado ao Tribunal ou voltou para sua cela. A família e companheiros de cela temem por sua segurança, uma vez que seu paradeiro é desconhecido e todas as informações sobre o que houve está sendo negada.

Na época de sua prisão, em 14 de abril de 2010, as forças de segurança invadiram sua casa, e o prenderam na frente de sua família. Após um rápido julgamento, Behnam foi condenado a cinco anos de prisão, mas recebeu um ano adicional, totalizando seis anos.

O senador dos Estados Unidos Mark Kirk comentou o documento numa entrevista à Fox News e frisou que algo precisa ser feito em prol da liberdade religiosa no Irã: “Este relatório é como um lembrete importante sobre a verdadeira natureza do regime iraniano… Não podemos fingir que estamos negociando com os moderados ocidentais – estamos a negociar com os radicais islâmicos que perseguem mulheres, cristãos e outras minorias religiosas e étnicas, apesar de negar a todos os seus cidadãos os Direitos Humanos básicos – incluindo a liberdade de expressão e de reunião”.

Tribo indígena formada por maioria evangélica enfrenta mudança de costumes e sonha em gravar CD de música gospel; Assista



O trabalho missionário junto às tribos indígenas tem rendido frutos e uma tribo da aldeia Kumenê, na reserva de Uaçá em Oiapoque, a 590 quilômetros de Macapá (AP), é formada em sua maioria por evangélicos.

“Somos evangélicos. A maioria da aldeia é crente”, diz o cacique Azarias Ioio Iaparrá, de 50 anos, que relatou também a abolição de alguns costumes como andar nu, ingerir bebidas fortes e fazer danças típicas, além de questões religiosas, como as feitiçarias dos pajés.

Ao G1, Iaparrá, que lidera a tribo indígena da etnia Palikuré, admitiu que apesar de seu povo estar no meio da floresta amazônica, acabaram influenciados pela “cultura do homem branco”.

“Os missionários explicaram pra gente que Jesus era o único salvador e que Deus fez o céu e a terra. Primeiro não acreditamos muito, mas depois começamos a aceitar a Palavra e fomos nos batizando nas águas”, contou o pastor indígena Florêncio Felício, 55 anos, explicando como deixaram de crer que a natureza fosse um deus.

Felício é evangélico desde os 25 anos de idade, e lidera a única igreja evangélica da aldeia, construída por missionários nos anos 1990, e que resultou numa maior proximidade entre os aldeões. “Cada família tinha a própria aldeia, mas depois dos missionários passamos a viver mais próximos, como se fosse uma única família”, comenta o cacique Iaparrá.

“Aprendemos a falar português porque era a língua dos brancos e assim também poderíamos nos comunicar melhor com os missionários”, acrescenta o cacique, que lamenta a desfiguração cultural de seu povo: “Eu vi que a gente não deveria deixar a nossa cultura, mas já perdemos muitas coisas. Crianças que não sabem nem dançar, por exemplo”.

Essa perda cultural foi a responsável por afastar Fernando Iaparrá, 37 anos, da igreja. Ele diz que abandonou a porque as proibições mudaram as raízes: “Eu gosto de beber o caxixi. Mesmo não tendo mais na aldeia, sou contra essa proibição. Por isso decidi deixar”, afirmou, referindo-se à bebida fermentada produzida por índios a partir da mandioca.

Com a perda de parte dos costumes indígenas, a tribo adquiriu novos, como por exemplo, o gosto pela música gospel. A igreja da tribo tem uma banda chamada Missão Gideão, formada apenas por índios e que há 20 anos toca nos cultos da igreja. “Temos um material autoral que precisamos colocar em um CD. Mas por causa da dificuldade financeira e distância, ainda não conseguirmos viajar”, lamentou Sofonias Hipólito, 39 anos, um dos músicos. “Peço todo dia para Deus nos ajudar a sair da aldeia. Temos muitos hinos e queremos mostrar nosso trabalho”, concluiu.

Cristãos são agredidos e torturados na prisão

A Christian Solidarity Worldwide (CSW) informou que o cristão iraniano Silas Rabbani foi torturado na prisão de Gohardasht, enquanto Amin Khaki, também cristão, alegou ter sido violentamente agredido na prisão de Ahwaz

Silas Rabbani, um diácono da Igreja do Irã em Karaj, foi preso em 5 de maio por agentes da inteligência, que o informaram de seu plano para prender outros cristãos. Ele foi posteriormente transferido para a sessão 8 da prisão de Gohardasht , que está sob controle da Guarda Revolucionária.

Amin Khaki fazia parte de um grupo de oito cristãos que foram detidos e interrogados após um piquenique em 5 de março de 2014. Embora a maioria deles tenha sido liberada mais tarde, Amin Khaki, Hossein Baraunzadeh e Rahman Bahman foram presos. Amin Khaki foi transferido para a Divisão Interna da prisão de Ahwaz em 7 de maio, enquanto Baraunzadeh e Bahma foram transferidos de Ahwaz para uma prisão na cidade de Dezful.

Ore por esses irmãos em Cristo e suas famílias.

Igreja Perseguida na Copa: Nigéria

Não importa se são bons de bola. Em alguns países que participarão da Copa do Mundo os cristãos são perseguidos por sua fé. Conheça-os ao longo dessa semana e torça por eles em oração!



Constitucionalmente, a Nigéria é um Estado secular que garante liberdade de religião. Mas nos últimos quarenta anos, a elite dominante tem dado tratamento preferencial aos muçulmanos em detrimento dos cristãos, principalmente no norte do país. Doze Estados nessa região já adotaram a sharia como base para sua lei local. Nesses Estados, torna-se especialmente difícil a conversão de um muçulmano para o cristianismo, já que esse tipo de atitude é considerado crime pela sharia.

Nesses locais, o governo e grupos sociais deixam pouco espaço para os cristãos praticarem livremente a sua fé. A influência desses Estados atinge também os Estados vizinhos, trazendo dificuldades para a Igreja que aí vive. O norte também é o lar do grupo extremista Boko Haram, que nesse ano fez centenas de vítimas entre cristãos e muçulmanos moderados.

A Nigéria está no 14º lugar na Classificação da Perseguição Religiosa.

Leia mais no Fanzine underground, uma publicação do ministério de jovens da Portas Abertas.

Missionário cristão dedica sua vida para evangelizar em regiões onde cristãos são perseguidos e mortos



O missionário cristão Chris Franz tem um foco bem específico em seu ministério. Nascido na Alemanha e tendo passado boa parte de sua vida servindo em igrejas na Europa e nos Estados Unidos, Franz tem em seu coração um ardente desejo de pregar e evangelizar em regiões do mundo conhecidas por serem hostis ao cristianismo.

O foco central do ministério de Franz é o trabalho em locais povoados por tribos e grupos de pessoas conhecidas por matar aqueles que seguem o cristianismo. Ele começou o trabalho de seu ministério, Cristo é a Resposta (CITA, da sigla em inglês), em 1998 e desde então já realizou quase 100 cruzadas evangelísticas, que resultaram em milhares de pessoas entregando suas vidas a Cristo.

Segundo o Charisma News, o trabalho de Franz tem também como resultado inúmeros sinais e milagres, e o seu testemunho de já ter pregado em vários dos lugares mais perigosos no mundo para os cristãos. Um de seus recentes trabalhos missionários foi realizado em Wondo Genet, na Etiópia, onde ele viu milhares de pessoas sendo curadas e se convertendo a Cristo.

Seu ministério equipa e apoia uma rede de ministérios e missionários indígenas para plantação de igrejas, e vários destes missionários se tornaram mártires.
-É um preço que devemos pagar – afirma Franz, sobre os muitos missionários que deram suas vidas para evangelizar em terrenos hostis.

- Vivemos em um tempo em que não podemos mais permitir que qualquer coisa, até mesmo a morte, nos impeça de trabalhar nos campos de colheita de Deus. Estamos na última fase do cumprimento da Grande Comissão, e eu acredito que essas regiões do mundo são a última posição. Esta geração precisa ser salva! – ressalta o missionário.

terça-feira, 10 de junho de 2014

Igreja Perseguida na Copa: Colômbia

Não importa se são bons de bola. Em alguns países que participarão da Copa do Mundo os cristãos são perseguidos por sua fé. Conheça-os ao longo dessa semana e torça por eles em oração!

A Colômbia é o único país das Américas em que os cristãos enfrentam forte oposição quanto à prática de sua fé.

Nas regiões onde há grande atividade de grupos rebeldes e cartéis de droga, igrejas enfrentam restrições quando ao horário, escopo de suas atividades. Até sermões chegam a ser examinados por esses grupos.

Muitos líderes cristãos pregam contra o crime e a associação aos criminosos. Enquanto convencem alguns a abandonar seus laços com guerrilheiros, esses pregadores também ganham o ódio de chefes do narcotráfico.

Há ainda perseguição entre as tribos indígenas animistas no norte do país. Nos últimos anos, aqueles que têm abandonado as tradições tribais pela fé em Cristo são expulsos de suas terras e até tribos. Outros foram julgados e condenados de acordo com as leis e valores tribais. Nesses casos, quase não há intervenção do governo, uma vez que os grupos indígenas têm autonomia para aplicar suas leis aos seus membros.

domingo, 8 de junho de 2014

Número de mortos na Nigéria pode chegar a 500

Homens armados, com uniforme militar, invadiram o distrito de Gwoza, no Estado de Borno, na noite de terça-feira (3), destruindo casas, igrejas e mesquitas, e matando os moradores que tentavam fugir
Centenas de pessoas podem ter sido mortas em ataques, supostamente realizados pelo grupo islâmico Boko Haram, em quatro vilas no nordeste da Nigéria, informaram fontes locais nesta quinta-feira (5).

Líderes comunitários calculam as vítimas entre 400 e 500 pessoas, embora não tenha sido feito um levantamento por parte de fontes independentes devido à má qualidade das comunicações e à dificuldade em levar serviços de emergência ao local.

Outro incidente, em Maiduguri, também no nordeste do país, deixou 45 mortos. Integrantes do Boko Haram fingindo ser pregadores abriram fogo contra a multidão, de acordo com moradores.

Se confirmado, o ataque nas vilas de Goshe, Attagara, Agapalwa e Aganjara seria um dos piores na insurgência islâmica do país, que já dura cinco anos.

No último dia 5 de maio, mais de 300 pessoas morreram em um atentado na cidade de Gamboru Ngala.

"Foram assassinatos em massa, mas ninguém pode indicar um número, porque ninguém conseguiu chegar ao lugar, e porque os insurgentes ainda estão lá. Eles tomaram toda a área", explicou à agência de notícias AFP Peter Biye, parlamentar local.

"Há corpos espalhados por todas as áreas, e as pessoas estão fugindo", acrescentou Biye, que representa Gwoza na Câmara dos Deputados.

A situação foi descrita por moradores como "crise humanitária", enquanto alguns pediam a entrada de grupos independentes para enterrar os mortos.

Residentes de Attagara, vilarejo de maioria cristã, acreditam que o ataque foi uma retaliação à morte de quatro integrantes do Boko Haram, que atacaram uma igreja e mataram nove pessoas.
O Boko Haram ("A educação ocidental é um pecado" em língua hausa), que deseja impor a lei islâmica no norte da Nigéria, matou milhares de pessoas desde 2009 e atacou escolas do nordeste do país em várias oportunidades.


Leia tambémQuatro crianças sequestradas pelo Boko Haram são libertadas
Ore para que a nossa fé cresça
190 meninas permanecem desaparecidas na Nigéria

Nigéria



Os níveis de violência contra os cristãos em 2013 permaneceram extremamente elevados, com centenas de casos de agressão física, a destruição de cerca de 300 igrejas e a morte de 612 cristãos. No fim de janeiro deste ano, um dos maiores ataques na história da Nigéria contra uma igreja deixou 99 mortos. O líder pentecostal Rev. Faye Pama Musa foi morto a tiros por dois suspeitos do grupo radical Boko Haram.

Entretanto, a violência de grupos terroristas islâmicos não é a única forma de perseguição. O governo local e grupos sociais quase não deixam espaço para que os cristãos vivam suas próprias vidas. Muitos vilarejos cristãos têm acesso negado a instalações básicas como poços e escolas.

Ore:
.Para que o Espírito de Deus console as famílias que sofreram traumas ou perdas.
.Agradeça a Deus pelos presentes generosos de parceiros da Portas Abertas para órfãos e viúvas.
.Por proteção à equipe da Portas Abertas ao levarem Bíblias, ajuda e treinamento aos cristãos necessitados.

Você viajaria da China a Bangladesh por um abraço?

Sheng*, um colaborador da Portas Abertas, visitou recentemente um grupo de centenas de obreiros que pertencem à maior rede cristã na China. Ele ficou profundamente tocado pelo que viu. "Eles têm pouca informação sobre a Igreja Perseguida, mas oram dia e noite"


Agora que a Igreja chinesa experimenta muito mais liberdade do que no passado, um dos maiores projetos é a criação de treinamentos entre os chineses Han**. "Minha reunião com eles me deu inúmeras percepções", disse Sheng. "Nós trabalhamos com cinco níveis de treinamentos: informação interesse, inspiração, envolvimento e engajamento. Contudo, o que descobri foi que há muitos líderes cristãos na China que já oram pela Igreja Perseguida. Embora tenham pouca ou nenhuma informação, eles ajudam em oração. Cheguei à conclusão de que muitos colocariam suas vidas em risco pelos irmãos e irmãs da Igreja Perseguida, mas eles não têm ideia de como se envolver".


O grupo que Sheng conheceu é um claro exemplo. "Eles sabiam pouco sobre a Igreja Perseguida. Porém, eu pude ver uma determinação dada por Deus em seus olhos. Eles diziam: ‘Nós fomos chamados para orar’. Então todo mês eles oram e jejuam durante dois dias. Eles têm também selecionado intercessores por algum país especifico que Deus tenha colocado em seus corações. Eles dizem que quanto mais oram por determinado país, mais ficam apaixonados por ele. Para eles, é a forma que encontraram de apoiar os membros de sua família na fé".


Deus usa essas vigílias de oração para inspirar os cristãos chineses a se envolverem com a Igreja Perseguida em outros países também. "Eu falei com a irmã Da-Xia*. Enquanto ela estava orando, o Espírito Santo a desafiou a visitar uma missionária em Bangladesh. Isso aconteceu no ano passado, quando houve uma séria epidemia de dengue em Bangladesh e também um levante político.

Ela questionou a Deus e deu algumas desculpas a ele. Então Deus a respondeu: ‘Você iria por sua irmã em Cristo? ’. Ela respondeu: ‘Sim, Senhor, eu iria a qualquer lugar por minha irmã’. E Deus a respondeu: ‘Você iria por minha filha?’. Ela respondeu que ‘sim’. Então ela perguntou quantas pessoas gostariam de ir com ela e seis pessoas responderam positivamente".


Não havia líderes entre esses seis e Da-Xia começou a duvidar. Ela tinha realmente entendido a voz de Deus? Se sim, porque os líderes chave não se engajaram nessa viagem? "Mas Deus lhe disse que ele selecionou os seis porque eles estavam comprometidos a orar por Bangladesh. O grupo estava muito amedrontado para ir. Como eles poderiam se proteger dos ataques mortais daquele mosquito? Todos escreveram seus últimos desejos porque estavam com a expectativa de que morreriam em Bangladesh. A irmã Da-Xia lhes disse que somente o amor de Deus poderia derrotar o medo deles, e uma vez que tivessem lidado com isso, eles poderiam enfrentar a morte sem medo nenhum."


Em Bangladesh ninguém ficou doente, mas o Espírito Santo fez mais do que protegê-los das ameaças. Quando eles se encontraram com a missionária, descobriram que ela se sentia solitária e rejeitada. "Deus disse à irmã Da-Xia que abraçasse a jovem missionária. É preciso entender que isso é totalmente fora do padrão cultural chinês. As pessoas não se abraçam. Mas ela o fez e esse gesto significou muito para a missionária. Foi como se os sentimentos de solidão e rejeição tivessem desaparecido. Seu coração endurecido amoleceu".


A reunião com a irmã Da-Xia e com outros obreiros deu a Sheng um enorme impulso de confiança. "É maravilhoso ver como Deus trabalha e como ele usa a Igreja chinesa nos ministérios de oração e presença. Isso nos mostra que precisamos continuar a criar treinamentos entre os cristãos chineses e a dar a eles ferramentas para se envolverem. Deus tem um grande plano para a Igreja chinesa".


*Nomes alterados por motivos de segurança.


** A maioria dos chineses (90%) pertence à etnia Han. Os outros 10% pertencem a outras minorias.

O que a lei islâmica pode trazer aos não muçulmanos?

O sultão de Brunei anunciou uma nova lei baseada em punições criminais islâmicas, criticada por representantes de direitos humanos da ONU e outros grupos. Açoites, corte de membros e morte por apedrejamento podem ser aplicados ao longo do tempo


"Coloco minha fé em Deus e sou grato a ele por anunciar que no dia 1º de maio de 2014 entrou em vigor a fase um da sharia (lei islâmica), a ser seguida por outras fases", disse o sultão Hassanal Bolkiah, líder do governo monárquico absoluto do país por quase 47 anos, em um discurso na véspera da implantação da lei.
Brunei, um país minúsculo de pouco mais de 420 mil pessoas, situado no sudeste asiático, já vem praticando leis islâmicas para regular assuntos civis, como questões familiares e pessoais. Mas, agora, as leis serão estendidas para cobrir infrações penais.
As novas penas islâmicas serão introduzidas com o tempo, no mínimo em um ou dois anos, e incluirão, por fim, graves punições corporais como: açoites por adultério, corte de membros por roubo e morte por apedrejamento no caso de estupro e sodomia.
A primeira fase inclui leis por infrações de comer e beber em público durante o mês de jejum do islã, o que é punível com multas e prisões.
Partes da lei também se aplicam a não muçulmanos. Em fevereiro, peritos da leisharia do Ministério de Assuntos Religiosos anunciaram que os não muçulmanos poderiam ser punidos por usar vestimentas indecentes que "desonram o islã". O infrator pode ser preso por até seis meses, receber multa máxima de mil e seiscentos dólares ou ambos. Mesmo agora, já é obrigatório para as mulheres de todas as religiões, incluindo as cristãs, usarem o hijab (cobertura para a cabeça) caso trabalhem para o governo ou estejam participando de eventos oficiais. Entretanto, com o código penal da sharia em vigor, uma violação contra essas instruções religiosas será criminalizada.
No passado, os líderes da Igreja afirmavam receber um monitoramento pesado por parte do governo, ao que se espera que o novo código penal acrescente pressão, ansiedade e medo aos cristãos, que constituem 8.7% da população.
Outra restrição que visa os cristãos convertidos de origem muçulmana inclui uma lei que proíbe que pais muçulmanos deixem que não muçulmanos cuidem de seus filhos. O ato é punível com termo de prisão de até cinco anos, multa de até US$ 15.600 (aproximadamente 35 mil reais) ou ambos.
Como consequência, pessoas que se convertem ao cristianismo podem perder a custódia de seus filhos, caso sua nova fé seja revelada. "Todos os direitos dos pais são outorgados ao cônjuge que for muçulmano, caso a criança pertença a pais de crenças diferentes, e o cônjuge não muçulmano não é reconhecido em nenhum documento oficial, incluindo a certidão de nascimento da criança", escreveu o Departamento de Estado dos EUA no Relatório de Liberdade Religiosa Internacional de 2012. Além do mais, uma vez que a sharia entre em vigor, a restrição pode ser estendida aos serviços de creche operados por não muçulmanos.
O novo código penal também cita que os não muçulmanos não podem mais compartilhar sua fé com os muçulmanos e ateus. Os infratores correm o risco de serem multados em até US$ 15.600 (aproximadamente 35 mil reais), pegarem até cinco anos de prisão ou ambos.
Ensinar outras religiões fora do islã a um filho de muçulmano ou ateu carrega a mesma punição. Por causa disso, as poucas escolas cristãs receberão um revés, uma vez que muitos de seus alunos não são cristãos. O dia escolar normalmente se inicia com a leitura da Bíblia.
"Ainda assim, os pais começaram a exigir que, em vez disso, comecemos cada reunião com uma oração muçulmana", disse um funcionário da escola não identificado.
Por último, seguindo a direção da vizinha Malásia, o código penal reivindica 19 palavras que pertencem unicamente ao islã. Portanto, os cristãos estão proibidos de usar palavras como Alá (Deus) e Firman Alá (Palavra de Deus), que se encontram na Bíblia de língua malaia e são comumente usadas pelos bruneanos. Também não se pode levar material cristão para o país.
É difícil prever a extensão até onde a nova lei pode afetar os não muçulmanos, já que ela está no início do estágio de implementação. O governo admite não ter a infraestrutura para apoiar a lei, pois há escassez de juízes especializados nos tribunais da sharia.
Brunei está no 24º lugar da Classificação da Perseguição Religiosa.

Não existe domingo fácil no Vietnã

O Vietnã, 18º país em que mais se perseguem cristãos, é o lar de mais de 50 minorias étnicas. Cada uma tem sua própria linguagem e cultura. Para os pastores tribais do Vietnã, pode ser mais fácil morrer por Cristo do que viver por ele


Toda essa diversidade é um desafio para os líderes do governo, cujos ideais comunistas são avessos à individualidade, à propriedade privada e à religião.


O grupo kinh é o maior das 54 tribos registradas pelo Estado, de acordo com uma fonte online. Eles constituem cerca de 86% das 91 milhões de pessoas do país. São chamados de povo "Viet". A maioria dos homens de negócio, pessoas instruídas e líderes políticos é kinh. Um líder da Igreja que prefere ser chamado por seu nome em inglês, Peter, observa o preconceito, a exclusão embutida e silenciosa.


"Os kinhs ocupam as cidades", diz ele, "enquanto os povos tribais estão nas regiões mais remotas e inacessíveis". A minoria, como a maioria kinh se refere ao restante dos grupos étnicos, constitui a força de trabalho, empregada nas fábricas e fazendas. Alguns deles possuem um pequeno pedaço de terra para cultivar, mas facilmente o perdem se fizerem duas coisas: lutar por emancipação ou seguir a Cristo.


Os cristãos tribais e o Decreto 92
No que se refere à Igreja no Vietnã, cristãos que pertencem a grupos étnicos constituem a maioria. Seis em cada dez cristãos protestantes (60%) no país pertencem a uma tribo, de acordo com a equipe de pesquisadores da Portas Abertas.


O Decreto 92, colocado em vigor em janeiro passado, requer que os adeptos a certas crenças solicitem permissão oficial da Comuna do Povo, um escritório do vilarejo, antes de se reunirem para atividades religiosas. Para um milhão de cristãos tribais do país, isso significa informar e obter a aprovação das autoridades locais antes de cultuarem, orarem e terem comunhão em um domingo.


"Temos de fazer uma solicitação toda vez", conta Vanh* à Portas Abertas, um pastor tribal de uma igreja doméstica. "Preparamos uma lista das pessoas que comparecerão. Também informamos a programação, as atividades, quantos dias. Então, eles (os funcionários da Comuna do Povo) nos dão aprovação verbal. Não é oficial, mas deveria ser".


Para se obter uma licença oficial para que a igreja doméstica continue a existir e funcionar, o pastor Vanh deve seguir um conjunto diferente de regras e satisfazer os requisitos de funcionários religiosos dos níveis provincial e distrital. Por um lado, sua igreja deve estar assentada em um imóvel próprio. Ele também deve provar que a igreja não violou nenhuma lei religiosa e foi exemplo de "atividades religiosas estáveis" (ex.: culto dominical, festividades de Natal, aulas de discipulado e outras) por pelo menos 20 anos desde a primeira vez que obtiveram licença no nível do vilarejo ou da Comuna.


"Se as igrejas domésticas quiserem se registrar", diz Moan*, outro pastor tribal, "elas devem despender muito tempo e esforço. E isso leva muitos anos. Se o líder da igreja é fraco, ele pode desistir e continuar se reunindo (em secreto) sem permissão".


É isso que alguns pastores tribais têm feito, com algumas consequências terríveis. Em dezembro de 2013, por exemplo, duas igrejas domésticas no norte do Vietnã foram invadidas. Os membros se dispersaram, as Bíblias foram confiscadas e um pastor foi espancado com tijolos. Pelo menos, 20 cristãos estão lutando agora para se reunirem aos domingos para cultuar.




*Nomes e outros dados foram alterados e ocultados para a segurança dos pastores e seus ministérios.

Grupos evangélicos se organizam para realizar ação de evangelismo em massa durante a Copa do Mundo



Na próxima quinta-feira (12), começa no Brasil a Copa do Mundo, considerado um dos maiores eventos esportivos do mundo. Tendo em vista o grande público que será atraído pelo evento, vários grupos evangélicos estão na preparação de um evangelismo em maça, visando alcançar os torcedores durante a competição.

Para realizar essa ação estão sendo promovidos diversos projetos, como o Trans Copa 2014, o Joga Limpo Brasil e o Jocum Kickoff que, entre outros estão planejando enviar voluntários de todo o país para executar ações de evangelização.

A Junta de Missões Nacionais preparou um calendário para a Trans Copa 2014 formado por eventos evangelísticos que ocorrerão em vários dias específicos durante o período da Copa, que vai de 12 de junho a 13 de julho. Essas ações acontecerão apenas nos dias dos jogos e exclusivamente nas cidades-sede do torneio.

Para participar do projeto da Junta de Missões Nacionais, o voluntário deve ter mais de 18 anos de idade, ser filiado a uma Igreja Batista filiada à Convenção Batista Brasileira e estar devidamente recomendado pelo pastor. Menores de 16 anos também participarão, desde que acompanhados de um responsável maior de 18 anos.

Os trabalhos da Trans Copa serão focados no método “Golden Goal”, e em ações indiretas através da oferta de serviços gratuitos como pintura facial, folhetos especiais, entre outros.

Já a Sociedade Bíblica do Brasil (SBB) organizou o Movimento Joga Limpo Brasil (MJLB), que está mobilizando atletas, igrejas e organizações cristãs para difundir a mensagem bíblica em diversas cidades e nas cidades-sede da Copa do Mundo.

Reconhecida mundialmente por seu trabalho missionário, a JOCUM também atuará durante a Copa do Mundo. De acordo com o The Christian Post, a instituição fez parceria com diversas organizações locais e internacionais para proclamar a palavra durante a Copa do Mundo. O grupo afirma que, com grande paixão e com uma rede globalizada de contatos, almeja “fazer Deus conhecido entre as nações”.

A Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil (CGADB), e a Igreja Metodista também farão sua participação no evento com ações de evangelismo, através do Evangelizando o Mundo na Copae do Escola do Clamor na Copa, respectivamente.

Pastor evangélico simula o próprio sequestro para esconder caso extraconjugal



Nesta sexta-feira (06), a polícia da cidade de Joaçaba, em Santa Catarina, foi mobilizada para atender ao caso de sequestro de um pastor evangélico da cidade. As informações iniciais são de que o religioso, pastor em uma igreja do bairro Jardim das Hortênsias, teria sido vítima de um sequestro-relâmpago. Porém, a polícia acabou descobrindo que o pastor forjou o próprio sequestro, para esconder de sua esposa um caso extraconjugal.

De acordo com a Rádio Catarinense, João Emílio de Andrade, de 43 anos, afirmou que havia sido abordado em um trevo da BR-282 por dois homens encapuzados que abordaram seu carro utilizando um Ford Escort cinza. Ele afirmou que foi colocada uma sacola em sua cabeça, e que teve os pulsos amarrados com a gravata que ele usava e em seguida foi colocado no porta-malas de seu carro, que tenha rodado por pelo menos meia hora.

O envolvimento da polícia com o caso começou quando o pastor entrou em contato com um amigo, que imediatamente acionou a polícia pedindo ajuda. Foram mobilizados cerca de 13 profissionais para atender à ocorrência, entre policiais militares e civis, investigadores e Corpo de Bombeiros.

Andrade foi encontrado dentro de seu carro, já na madrugada, em frente ao posto avançado do Corpo de Bombeiros, e foi tirado do veículo pela polícia. Ele foi levado pelo Corpo de Bombeiros com ferimentos leves nos pulsos ao Hospital Universitário Santa Terezinha onde foi atendido e logo liberado.

Ao iniciar a investigação do caso, a Polícia Civil começou a desconfiar que o pastor estivesse omitindo informações. Ao ser interrogado, ele começou a se contradizer com a história, e acabou revelando que não foi realmente sequestrado. O investigador Edson Tonielo conta que o pastor revelou que precisava achar um meio de explicar o motivo de chegar tarde em casa, já que estava com outra mulher, pois ele tinha recebido 13 ligações da esposa enquanto estava fora de casa.

Agora, o pastor irá responder a um Termo Circunstanciado (TC), por ter feito falsa comunicação de crime. Segundo Tonielo, a ação do pastor para esconder seu caso extraconjugal prejudicou o trabalho real da polícia. Na ocorrência foram mobilizadas cinco viaturas, sendo três da Polícia Militar e duas da Polícia Civil.

- Durante o período que os policias estavam envolvidos no caso, dois caminhões foram furtados na cidade – destaca o investigador.


Pastor evangélico é preso por abusar sexualmente e engravidar menina de 12 anos



Na última semana as autoridades mexicanas anunciaram a prisão do pastor evangélico Rutilio Can Falcón, de 61 anos, que é acusado de ter abusado sexualmente de uma menina de apenas 12 anos de idade, que engravidou em decorrência do abuso.

O crime aconteceu em um povoado no estado de Chihuahua. De acordo com a Procuradoria de Justiça do estado, o pastor estava encarregado de um albergue para crianças órfãs, situado nos arredores de Ciudad Cuauhtémoc, onde conheceu e abusou da criança.

Segundo a agência EFE, a mãe da menina, que trabalhava na instituição dirigida pelo pastor, só se deu conta do abuso quando percebeu a gravidez da filha, aos 6 meses de gestação. Em seu testemunho ela afirmou que Falcón era a única pessoa na qual confiava devido a sua condição de pastor evangélico.

O testemunho de outros moradores da cidade onde está localizado o albergue aponta que o pastor já havia sido acusado, em 2011, de abusar sexualmente de crianças que hospeda na instituição. Porém, as autoridades locais explicam que até o momento não há nenhuma outra acusação formal contra o religioso.

Parceiro comercial do São Paulo FC é processado pelo Ministério Público por discriminação religiosa



O empresário e advogado Renan Lemos Villela, que nessa semana fechou parceria com o São Paulo através da sua empresa Buscas Serviços Digitais, é réu em um processo movido pelo Ministério Público do Trabalho (MPT) por discriminação religiosa.

O processo, que tem como réus Villela e cinco empresas suas, corre na Justiça do Trabalho do Rio Grande do Sul e tem como base denúncias de que o empresário forçava seus funcionários e frequentarem cultos em igreja evangélica. De acordo com o processo, ele alegava que os funcionários precisavam “tirar o capeta”, pois isso estaria prejudicando a produtividade no trabalho.

No início de fevereiro foi expedido pelo TRT do Rio Grande do Sul uma liminar determinando que Villela e suas empresas parassem com qualquer prática discriminatória, sob pena de ser condenado a pagar R$ 10 mil a cada funcionário para cada vez que tiver de ir ao culto sob coação.

Segundo o LanceNet, a denúncia contra o empresário diz ainda que ele teria dito em público nas suas empresas que quem não acredita em Jesus está possuído pelo demônio. Em nota oficial, a assessoria de imprensa do Grupo Villela se defendeu das acusações.

- O Grupo Villela nestes 9 anos de atuação, não tem qualquer denúncia no Ministério Público do Trabalho (MPT) e nos últimos anos, duas auditorias foram realizadas pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). Nessas duas visitas citadas, que aconteceram em 2012 e 2013 não foi encontrada nenhuma irregularidade – afirma a nota.

- Essa Ação Civil Pública (ACP) teve decisão liminar favorável ao Ministério Público do Trabalho (MPT) e tem como base denúncias feitas por ex-empregados do Grupo. A liminar não poderia se tornar pública porque isto sequer foi pedido pelo MPT. O Juiz não deferiu ao MPT qualquer direito à publicação sobre o processo e o Grupo Villela ainda não teve a oportunidade de apresentar qualquer mecanismo de defesa no mesmo – explica o texto publicado pela assessoria, que diz ainda que a decisão foi unilateral, e que a empresa ainda não teve chances de se defender das acusações.

- Até o momento é uma ação unilateral, da qual a empresa sequer foi avisada ou teve chance de defender-se. Além de tudo isso, essa liminar determina que o Grupo não tenha atitudes discriminatórias, as quais nunca foram feitas, assim, não causam nenhum ônus à empresa – completa
.

sábado, 7 de junho de 2014

Berlim terá templo único para cristãos, judeus e muçulmanos



A cidade de Berlim, na Alemanha, terá um espaço dividido para as três religiões monoteístas: judaísmo, cristianismo e islamismo. O local será construído no mesmo lugar onde até 1964 funcionou a igreja mais antiga da cidade.

O projeto da construção do templo foi impulsionado por representantes das três religiões, o pastor Gregor Hohberg, o imã Kadir Sanci e o rabino Tovia Ben-Chorn.

O local será chamado de “The house of one”, ou “A casa de Um” em tradução livre. O projeto foi apresentado na semana passada e foi bem recebido pela população.

“A cidade das feridas também pode ser a cidade dos milagres”, disse o rabino Ben-Chorn se referindo ao período nazista. Em 1935 sua família precisou deixar o país por conta das ameaças contra judeus.

O pastor Hohberg explicou à imprensa local que foi procurado pela prefeitura para assumir o terreno onde antes funcionava a paróquia protestante de São Pedro. “Naturalmente, nos interessamos em recuperar o terreno, mas não queríamos fazer uma igreja, e sim algo diferente que expressasse o que a cidade era atualmente”, explicou ele que é responsável pela igreja de Santa Maria.

Com a “The house of one” os líderes religiosos tentarão promover uma cultura de tolerância. “Em nosso trabalho diário sentíamos a necessidade de uma maior comunicação e uma maior compreensão entre as religiões. A ideia surgiu com essa proposta”.

A construção do templo será assinada pelo arquiteto Wilfrid Kuehn e deve começar a ser erguida na primavera de 2016 com orçamento previsto em 43 milhões de euros, valor que será arrecadado entre os fiéis das três crenças.

“Haverá uma igreja, uma sinagoga e uma mesquita, um pastor, um rabino e um imã, mas, além disso, teremos um lugar de encontro, onde vamos poder ler a bíblia juntos e discuti-la para nos conhecermos melhor”, disse Ben-Chorn explicando o projeto. Com informações Exame.

Feiticeiro diz que é o responsável pelas lesões de Cristiano Ronaldo



Segundo um boletim médico divulgado pela seleção portuguesa, o jogador Cristiano Ronaldo tem dois problemas de saúde: uma lesão muscular na região posterior da coxa esquerda e um quadro de tendinose rotuliana.

Esta semana o feiticeiro ganense Nana Kwaku Bonsam disse à imprensa que é ele o responsável pelo problema de saúde de uma das principais estrelas do futebol.

Nana Kwaku afirmou que fez um trabalho de bruxaria usando quatro cachorros para criar um espírito chamado Kahwiri Kapam, esse espírito seria então o responsável por provocar lesões em Cristiano Ronaldo para impedi-lo de jogar contra a seleção de Gana no dia 26 de junho.

“Eu avisei há quatro meses que trabalharia para que Cristiano Ronaldo não pudesse enfrentar Gana”, disse o feiticeiro. “Esta lesão não pode ser curada por médico algum. Eles não conseguirão entender a causa, porque ela é espiritual. Hoje é o joelho, amanhã será a coxa, no dia seguinte será outra coisa…”.

Cristiano Ronaldo tem se recuperado bem das lesões e já voltou a treinar com a expectativa de enfrentar o México no jogo desta sexta-feira (6). A seleção portuguesa desembarca no Brasil no dia 11 de junho, e seu primeiro jogo na Copa do Mundo está marcado para o dia 16 contra a Alemanha. Antes de enfrentar Gana, Portugal ainda passa pelo time dos Estados Unidos. Com informações Extra.

Quase 800 esqueletos de bebês são encontrados em convento na Irlanda



Nesta quarta-feira (4) quase 800 esqueletos de crianças foram descobertos ao lado de um antigo convento católico em Tuam, na Irlanda.

O local abrigou entre 1925 e 1961 jovens mães solteiras e as crianças, 796 exatamente, entre recém-nascidas até 8 anos idades, foram enterradas sem caixão e sem lápide provavelmente pelas freiras do convento.

Quem descobriu os restos mortais foi a historiadora Catherine Corless que sempre ouviu falar em um cemitério para recém-nascidos que ficava ao lado o Convento Santa Maria, que era administrado pelas freiras do Bom Socorro.

Em 1975 uma fossa comum foi descoberta pelos vizinhos do antigo convento e acreditava-se que os ossos eram de vítimas da grande fome que assolou a Irlanda no século XIX. O convento foi derrubado há anos e casas foram construídas no local, menos a área da fossa comum que estava sendo cuidada pelos vizinhos.

Segundo a historiadora o Convento Santa Maria (St. Mary) era um local que abrigava mulheres solteiras grávidas que na época eram chamadas de ‘mulheres perdidas’ sendo expulsas de suas casas.

Por conta do desprezo da sociedade, muitas delas entregavam seus filhos à adoção. Os ossos encontrados podem ser de crianças que enfrentaram doenças como a desnutrição, algo comum nesses centros segundo documentos encontrados pelos pesquisadores.

Um relatório oficial de 1944 dizia que as crianças do convento Santa Maria de Tuam eram “fracas, de barriga saliente e esqueléticas”. Outras causas da morte eram sarampo ou tuberculose, segundo registros do próprio convento.

As 796 crianças só não foram enterradas dignamente por não serem filhos de casamento, sendo impedidas pela Igreja Católica de receberem o batismo e serem enterradas em campos santos.

Um comitê foi criado para arrecadar dinheiro e erguer um monumento com o nome e idades de todas as crianças. O arcebispo de Tuam, Michael Neary, disse que se reunirá com as superiores da ordem do Bom Socorro para ajudar com a tarefa.

Com a notícia da descoberta dos ossos, o arcebispo de Dublin, Diarmuid Martin, se comprometeu a investigar os lares irlandeses para mães solteiras e o secretário de Estado de Educação, Ciaran Cannon, pediu a abertura de uma investigação. Com informações G1

A idolatria é o pior pecado que o ser humano pode cometer, diz Edir Macedo



Durante um culto realizado na Igreja Universal do Reino de Deus o bispo Edir Macedo fez uma oração especial pelos idólatras, dizendo que idolatrar coisas ou pessoas é o maior pecado do ser humano.

Na explicação do religioso antes da oração ele afirma que quem comete idolatria peca mais do qualquer criminoso e que tal ato é imperdoável por Deus.

“É o pecado que não tem perdão, salvo se você removê-lo do seu coração”, disse Macedo. “É pior pecado que matar, roubar, se prostituir ou fazer qualquer outro pecado. O maior pecado do ser humano chama-se idolatria”.

Edir Macedo cita o primeiro mandamento descrito em Êxodo 20:3 e 4. “Se você transgride este primeiro grande mandamento, você está tão condenado ao inferno quanto qualquer bandido, assaltante, assassino e etc.”.

Ao dizer essas palavras o líder da Igreja Universal chamou à frente todas as pessoas que confessavam estar colocando coisas ou pessoas acima de Deus para receberem uma oração e reconhecerem que Jesus é o único Senhor e Salvador.

Assista:


Vou responder questões morais, mas não quero ficar preso a isso, diz Roberto Marinho



Filiado ao Partido Social Cristão (PSC) desde setembro de 2013, Roberto Marinho, assessor parlamentar do deputado federal, pastor Marco Feliciano, quer fazer uma carreira política menos voltada para os debates subjetivos.

Ao lado de Feliciano desde 2009, Marinho disse que faltam deputados como o chefe e que estará sempre apoiando o parlamentar, além de prometer seguir a mesma linha de atuação do pastor na Câmara. Com uma ressalva: não pretende ficar preso ao “debate moral”.

Pré-candidato a deputado estadual por São Paulo, Marinho diz estar preocupado com questões sociais, como segurança, saúde, educação, etc. Para Marinho os parlamentares evangélicos que fixam seu mandato no debate moral acabam não conseguindo fazer nada de objetivo pela sociedade.

“A questão moral refere-se a um campo subjetivo do processo político, que em longo prazo, trará consequências para a sociedade”, explica.

Leia com exclusividade a entrevista que Roberto Marinho concedeu ao Gospel Prime:

Gospel Prime – Quando o senhor decidiu concorrer a um cargo eletivo?

Roberto Marinho – Como vocês sabem faço parte da assessoria do deputado federal, pastor Marco Feliciano. Começamos essa parceria em 2009 na área ministerial, onde minha função é ministrar o louvor e adoração antecedendo a pregação do Pastor Marco Feliciano, depois tangendo o teclado enquanto ele prega.

Por estar mais próximo a ele e ser alguém da sua confiança, fui designado para acompanhá-lo e assessorá-lo em Brasília como Deputado Federal em 2011. Ao chegar em Brasília comecei a entender melhor a política do nosso país.

Auxiliando o deputado, atento a todas as questões, fui adquirindo experiência. Estive com ele em todos os momentos durante o seu primeiro mandato. Acompanhei cada uma das ações adotadas por ele durante sua passagem pela Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados.

Acompanhei desde os debates em favor da família, contra o aborto, contra a legalização das drogas, em prol do fim da desigualdade social, e acabei me apaixonando por esta causa. Então resolvi pedir a benção do pastor Marco para que eu concorresse a um cargo eletivo.

Sendo assim conversei com ele e me coloquei a disposição para ampliarmos esse magnífico trabalho que ele tem feito no âmbito federal, para o âmbito estadual. Desta forma poderíamos criar uma base de apoio e uma ligação direta entre a Câmara Federal e a Câmara de São Paulo.

Em novembro de 2013 meu nome foi apresentado. Depois de um consenso geral da nossa equipe política e de ouvir opiniões de amigos próximos, fui lançado oficialmente como pré-candidato a Deputado Estadual por São Paulo para as eleições de 2014.

Qual será sua proposta de mandato?

Em primeiro lugar não pretendo fazer promessas, acho que o brasileiro já nem acredita mais nisso, mas hoje sei como funciona o parlamento. Existem bons projetos apresentados por outros deputados que ficam morosos na casa, a maioria são engavetados. Lógico que vou ter projetos de minha autoria, mas por que não aproveitar e dar continuidade a tantos projetos bons que existem lá? Da mesma forma como também pretendo frear projetos existentes naquela casa que ferem a família tradicional, que são contra a vida e que são contra os princípios cristãos.

Pretende debater questões morais, a exemplo de alguns deputados da bancada evangélica?

Como cristão torna-se impossível fugir destas questões. Porém, não pretendo ficar preso nisso, a exemplo de outros parlamentares evangélicos. A questão moral refere-se a um campo subjetivo do processo político, que a longo prazo, trará consequências para a sociedade.

Mas, por outro lado, existe a questão objetiva, que trata das mazelas sociais, da pobreza, da desigualdade, da falta de hospitais, infraestrutura, saneamento, transporte e tantos outros problemas.

O pastor Marco Feliciano se sensibilizou com a causa da comunidade indígena. Procurou beneficiar a sociedade, a comunidade afrodescendente. Como veio da extrema pobreza se sensibiliza com estes temas. Como a esquerda sabia da intenção do deputado em trabalhar em benefício da sociedade procurou envolver seu nome em questões morais, pois é só isso que a esquerda faz hoje em dia.

A direita não deve ficar presa a estas questões, pois acabará perdendo a oportunidade de trazer melhorias importantes para o país. Vou responder questões morais, mas não quero ficar preso a isso.

Sobre a homossexualidade, qual será a sua postura na Câmara?

Vou representar o segmento que me elegeu. Serei eleito com voto cristão e apesar de saber que este é um tema polêmico não pretendo ter meu nome atrelado a ele. Quando tiver de voltar contra algum projeto que cria privilégios para os gays, não terei problema de fazê-lo.

Minha postura será baseada, em primeiro lugar, nos meus princípios cristãos. Em segundo lugar, tenho uma missão específica se conseguir me eleger: representar meus eleitores. O que passar disso, não aceitarei jamais.

O senhor se considera um candidato dos evangélicos?

Me considero um candidato da família. Sou evangélico. Porém, quero representar tanto os evangélicos, como os católicos. Sou um candidato dos cristãos, pois cristianismo não é uma religião baseada em dogmas, mas em comportamento. Quero representar as pessoas de bem.

Existem muitos que não são evangélicos que também tem princípios cristãos. Então, também posso ser um candidato para eles.